Em decorrência da pandemia gerada pelo COVID-19, O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso afirmou hoje que como forma de reduzir aglomerações no dia de votação, as eleições municipais desse ano poderão ser divididas em dois dias de votação ou terem o horário de votação ampliado até as 20h.

Além de gerar alterações que precisam ser primeiramente votadas, há uma questão financeira que limita tal mudança. “É muito dinheiro num momento de crise fiscal e de muitas dificuldades que o país está enfrentando”, afirmou o ministro, pois as eleições envolvem o custo da alimentação de todos os mesários e de um convênio que o TSE tem com as Forças Armadas para a segurança das eleições e
das próprias urnas.

Outra opção seria dividir a votação por turnos, segmentando os eleitores em horários, liberando os idosos pela manhã e os jovens pela tarde. De toda forma, apenas em junho será definida a forma como a eleição será conduzida, dependendo da evolução do COVID-19 no país.

O ministro Luís Roberto Barroso diz também que ele e os líderes do Congresso são contra a possibilidade de prorrogação de mandatos e de fazer coincidir as eleições municipais com as nacionais em 2022, proposta que consta de projetos em tramitação no Congresso.