O Prefeito já divulgou a pesquisa em sua página de candidato. Agora retirou para não ter que pagar a multa.

Durou pouco a desajeitada tentativa do candidato Oziel Oliveira de “construir” uma pesquisa eleitoral para colocá-lo em uma situação privilegiada na opinião popular para as eleições do domingo vindouro.

O colegiado do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia, com base no relato do desembargador ROBERTO MAYNARD FRANK, obstou a tentativa canhestra de divulgar uma pesquisa fraudulenta, que não continha nem a assinatura eletrônica do estatístico responsável, tanto quanto uma base de dados definida para a realização da consulta popular.

O Magistrado, além de determinar o cancelamento da divulgação da pesquisa, estabeleceu multa de R$25.000,00, caso a determinação seja desobedecida.

Na realidade, o Candidato, através de funcionários de confiança, fez uma divulgação prévia dos resultados da pesquisa fraudulenta, apesar de saber – se de fato realizou uma consulta popular séria – que os números reais até são semelhantes, apenas inversos, com larga vantagem do candidato Júnior Marabá.

A diferença atribuída como vantagem ao atual Prefeito e candidato à reeleição é na verdade quase igual à real e verdadeira situação da intenção de voto do eleitorado, só que como desvantagem.

Oziel é useiro e vezeiro destas iniciativas desengonçadas. Em 2012, na campanha contra o então candidato à reeleição, Humberto Santa Cruz, foi distribuído pelo seu opositor uma enormidade de folhetos indicando vantagem de Oziel entre 4 e 5 pontos percentuais, quando na verdade as urnas provaram que a vantagem era de Humberto, só que em proporção um pouco maior.

Fonte: Jornal O Expresso