Com o simples ato de separar materiais recicláveis do lixo, como papelão, plástico, metal e vidro, mais de 30 famílias garantem a sobrevivência em Luís Eduardo Magalhães, através da Coleta Seletiva Solidária.

“É o nosso sustento e graças a Deus a população do município tem colaborado com a gente. Dependendo da quantidade de material que entra, a produção vai bem no final do mês, contou o presidente da Associação”, Jailson Souza. Nilmara Santos e Francisco Soares também fazem parte da Reciclalem.

Existe um contrato de Prestação de Serviços celebrado entre o município de Luís Eduardo Magalhães, a Secretaria de Meio Ambiente e Economia Solidária e a Associação Reciclalem. O lucro que eles retiram do material reciclável que é coletado e vendido, é a renda mensal dos trabalhadores.

“A gente pede que a população separe o seu material reciclável e se atente ao dia da Coleta Seletiva porta a porta”, ressaltou a engenheira ambiental e Sanitarista da Secretaria de Meio ambiente, Natália Oliveira.

E um detalhe importante: “Para descartar o vidro, a gente pede que a comunidade coloque numa sacolinha separada ou numa caixa, que anote que é um material de vidro, perfurocortante, para que a Associação fique resguardada em relação a sua saúde”, concluiu.